Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Chuvas de meteoros iluminam os céus esta semana

Publicado: Terça, 20 de Outubro de 2020, 00h07 | Última atualização em Terça, 20 de Outubro de 2020, 15h08

Quem gosta de contemplar o céu e buscar “estrelas cadentes” deve ficar de olho na noite de terça-feira e madrugada de quarta-feira desta semana. A tradicional chuva de meteoros Orionids, ou Oriônidas, originada de fragmentos do Cometa Halley, tem seu pico na madrugada desta quarta-feira, dia 21 de outubro. Mas antes dela, para deixar a noite ainda mais interessante, é possível que ocorra uma “chuva de meteoros de Halloween”, com origem num provável cometa extinto, o NEO 2015 TB145. Como nesta noite a Lua estará 23% cheia, a iluminação natural estará favorável a quem puder olhar para o céu em algum lugar distante da luminosidade artificial dos centros urbanos.

A chuva Orionids acontece entre 2 de outubro e 7 de novembro, e seu nome é porque irradia da constelação de Orion, perto da estrela Betelgeuse – a estrela vermelha mais brilhante da constelação. Esse fenômeno registra uma taxa máxima de 20 a 25 meteoros por hora – o que poderia ser visto em uma noite escura e de céu limpo. No Brasil, o melhor horário é na madrugada de quarta-feira.

Já a chuva de meteoros do NEO 2015 TB145, apelidado de “grande abóbora” devido à sua aparência, pode ocorrer pela primeira vez este ano, e, pelo período em que aparece, merece ser chamada de “chuva de meteoros de Halloween”. Uma corrente de meteoroides associada a este objeto pode encontrar a Terra na noite do dia 20 de outubro, segundo previsões do astrofísico Jeremie Vaubaillon, do Observatório Astronômico de Paris. “Caso ocorra, esta chuva pode ser visível no Brasil em torno das 19 horas, horário de Brasília”, explica o astrônomo Marcelo De Cicco, doutorando no Observatório Nacional e coordenador da rede EXOSS de monitoramento de meteoros, da qual o ON é parceiro.

No dia 10 de outubro de 2015, o objeto 2015 TB145 foi observado pela primeira vez com o Infrared Telescope Facility da NASA, o telescópio usado para observações em infravermelho, instalado no Havaí/EUA. Depois de considerarem que poderia ser um asteroide, os cientistas analisaram que este objeto possivelmente seria o núcleo de um cometa já extinto, mas que pode ter gerado material como poeira e grãos ainda na época em que estava ativo.

No dia 31 de outubro de 2015, dia da tradicional festa norte-americana de Halloween, ou Dia das Bruxas, este NEO (do inglês Near-Earth Object – em português, Objetos Próximos da Terra) passou perto da Terra, a uma distância um pouco maior que a distância Terra-Lua. Sua imagem se assemelhava a um crânio, o que rendeu seu apelido.

 

Imagem do NEO 2015 TB145 obtida em 30 de outubro de 2015. 
Crédito: NAIC-Arecibo/NSF

 

CHUVA DE METEOROS

Uma chuva de meteoros ocorre quando a Terra cruza a órbita de algum cometa, o que faz com que pequenos fragmentos deixados pelo cometa ao longo da sua trajetória penetrem a atmosfera num curto intervalo de tempo e em trajetórias quase paralelas. As chuvas de meteoros não representam riscos para a Terra e acontecem em praticamente todos os meses, algumas com mais intensidade e ampla visibilidade.

Os meteoros são pequenos corpos celestes que se deslocam no espaço e entram na atmosfera da Terra, queimando parcial ou totalmente devido ao atrito com a atmosfera terrestre e ao contato com o oxigênio. Este fenômeno deixa um risco luminoso no céu, que é popularmente chamado de "estrela cadente".

Fim do conteúdo da página