Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Observatórios

Última atualização em Terça, 07 de Março de 2017, 16h12

O Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica (OASI),além da operação pioneira do telescópio robótico, permite a colaboração com outras instituições e projetos do ON, integrando objetos de pesquisa, gerando publicações científicas e formando recursos humanos. O OASI foi construído no âmbito do Projeto IMPACTON (Iniciativa de Mapeamento e Pesquisa de Asteroides nas Cercanias da Terra no Observatório Nacional), iniciativa que integra o Brasil aos programas internacionais de busca e seguimento de asteroides e cometas em risco de colisão com a Terra.

 

 

O Observatório Magnético de Vassouras (OMV) destina-se ao estudo do campo magnético da Terra. O primeiro dado magnético foi obtido no dia 1º de janeiro de 1915. Desde então, o OMV – o segundo observatório da América do Sul – gera dados diariamente, sem interrupção, sobre o campo magnético terrestre. Atualmente, faz parte da rede global de observatórios INTERMAGNET, que define os padrões de qualidade e orienta sobre instrumentação e aquisição de dados. Os resultados obtidos desde o início de seu funcionamento e a pesquisa científica colocam o Observatório Nacional em posição de destaque no cenário científico mundial.

O Observatório Magnético de Vassouras integra também a Rede Gravimétrica Fundamental Brasileira (RGFB), que reúne mais de 630 estações gravimétricas de alta precisão referidas ao gravímetro absoluto instalado em Vassouras. Implantada em 1978, sob o planejamento e coordenação do ON, a RGFB provê apoio inestimável às indústrias de mineração e de prospecção de hidrocarbonetos, aos laboratórios metrológicos e a comunidade de geociências e física.

Em 2015, como parte das comemorações ao centenário do OMV, foi inaugurado o Centro de Visitantes Henrique Morize, que mantém a exposição permanente "100 anos de pesquisas no Observatório Magnético de Vassouras". 

 

O Observatório Magnético de Tatuoca (OMT) começou seu funcionamento em 19 de agosto de 1957, com o objetivo de implementar um programa de observação das variações magnéticas. Situado numa ilha próxima a Belém, no Pará, tem localização estratégica por estar na região do equador magnético.

 

 

Fim do conteúdo da página