Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Chuva de meteoros pode ser vista esta semana

Publicado: Quinta, 03 de Maio de 2018, 18h13 | Última atualização em Quinta, 03 de Maio de 2018, 18h13

Maio tem chuva de meteoros visível até o dia 26: a Eta Aquariid, ou Eta Aquáridas, que terá seu pico na madrugada do dia 6. Há previsão de submáximos que poderão ser vistos do Brasil, no dia 5 de maio, às 2h49 e em torno de 4h35 (horário de Brasília). Entretanto, a luz da lua interferirá na observação dessa chuva nos dias previstos de seus máximos.

"Mesmo com a Lua atrapalhando nestes períodos, vale a pena passar a madrugada observando, pois é possível que haja uma atividade acima da usual", orienta o astrônomo Marcelo De Cicco, doutorando do Observatório Nacional. 

A Eta Aquáridas recebeu este nome, porque o seu radiante está localizado na constelação de Aquário, próximo da estrela mais brilhante da constelação, a Eta Aquarii. É formada por fragmentos do Cometa Halley, um cometa com período orbital de cerca de 75,3 anos e seu próximo periélio será no ano de 2061, quando poderá ser visto novamente da Terra. O Halley também é a origem da chuva de meteoros Orionids, que ocorre em outubro.

"Os meteoros dessa chuva são muito rápidos e produzem uma alta porcentagem de rastros persistentes, mas poucos bólidos, oferecendo uma taxa que varia de 20 a 40 meteoros por hora no momento de seu pico. Pode atingir 60 meteoros/hora, em lugares bem longe da poluição luminosa, onde a constelação de Aquário esteja bem alta no céu e sem Lua", explica Marcelo De Cicco.

Nesta chuva, o hemisfério sul é o mais favorecido, recebendo uma taxa em dobro de meteoros em relação ao hemisfério norte. A chuva de meteoros Eta Aquariids será visível em todo o Brasil.

Os meteoros deixam um risco luminoso no céu, popularmente chamados de "estrelas cadentes". As chuvas de meteoros não representam riscos para a Terra e acontecem em praticamente todos os meses, algumas com mais intensidade e ampla visibilidade.

Quem registrar imagens de meteoros desta chuva pode enviá-las ao projeto Exoss, coordenado por Marcelo de Cicco, usando a ferramenta bolido.exoss.org.

 

Sobre a Exoss

A EXOSS é uma rede colaborativa, que busca conhecer as origens, natureza e caracterização de órbitas dos meteoros. Para isso, integra as estações de monitoramento montadas por seus associados, obtendo imagens em diversos locais – entre os quais, na sede do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro, e no Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica, também do ON, em Itacuruba, Pernambuco. Essa rede reúne e analisa, ainda, os relatos e imagens enviadas pelo público.

Na página da EXOSS na Internet é possível obter mais informações sobre a rede e ver maneiras de colaborar. A EXOSS também dá dicas de como fotografar meteoros, explica os fenômenos, oferece estatísticas de meteoros e meteoritos e orienta os interessados para fazer observação visual, além de mostrar imagens em tempo real das estações instaladas.

Meteoro registrado pela estação do projeto Exoss em 18 de abril

Fim do conteúdo da página