Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Pesquisadora do ON explica fenômenos astronômicos do dia 31 de janeiro

Publicado: Terça, 30 de Janeiro de 2018, 18h46 | Última atualização em Terça, 30 de Janeiro de 2018, 18h49

A pesquisadora Josina Nascimento, da Coordenação de Astronomia e Astrofísica do Observatório Nacional, fala sobre eclipse lunar, superlua e lua azul, eventos desta quarta-feira, dia 31 de janeiro de 2018.

 

Como será o eclipse lunar de 31 de janeiro de 2018?

Este eclipse total da Lua não será visto em nenhum lugar do Brasil, pois quando o eclipse acontecer será dia para nós.

 

Haverá superlua?

Há algumas definições de superlua e nenhuma delas é científica. Em uma definição, fala-se que é superlua sempre que a Lua for Nova ou Cheia e estiver até 90% próxima do perigeu – menor distância entre a Lua e a Terra. Se esse 90% for em distância à Terra, a Lua leva 7 dias para fazer essa mudança e aí já nem está mais na fase cheia ou nova. Se for em horas, a gente pode pensar que o período de fases é de aproximadamente 28 dias e que 10% disso seria 2,8 dias. Tanto pela primeira hipótese quanto pela segunda, dia 31 seria superlua. Mas, há outros que trabalham com a luminosidade e nesse caso, seria superlua somente quando a Lua Cheia e o perigeu ocorressem dentro das mesmas 24 horas. Nesse caso, dia 31 não seria superlua.

 

O que é Lua azul?

Lua azul não é uma denominação científica. A Lua não fica azul, como o termo pode sugerir. Algumas pessoas passaram a usar este nome quando ocorrem duas Luas Cheias no mesmo mês. 

 

Fim do conteúdo da página