"Amar uma cidade é ver-se nela, é sentir-se a cada fímbria de calçada, é começar-se nela, sendo parte de uma estranha arquitetura que nasce ao findar-se."

CARLOS AUGUSTO VIANA


A ideia de uma exposição de fotografias sobre a cidade de Sobral surgiu com a proposta de uma “arqueologia visual”: descobrir no cotidiano da cidade situações e personagens que gerassem imagens alusivas à expedição científica para observar o eclipse total do Sol de 1919 ou até mesmo sobre Albert Einstein. Acreditava que um dos maiores acontecimentos científicos do século XX teria deixado marcas no imaginário dos moradores de Sobral.

Durante 10 dias percorri toda a cidade com espírito explorador, sem nenhuma pesquisa prévia. Queria ser surpreendido. Fiquei encantado ao encontrar um conjunto arquitetônico peculiar, composto por prédios de diversos estilos, que se harmonizam com um céu de cores espetaculares e nuvens monumentais. O resultado de minha expedição foi mais de 6000 registros fotográficos tendo, na maioria, o céu de Sobral como personagem principal.

Luiz Baltar